Imobiliária em Joinville SC | Anagê Imóveis | Compra, Venda e Aluguel

Imóveis favoritos Não há favoritos adicionados
Você pode adicionar imóveis aos favoritos
clicando no ícone
Histórico de visualização Nenhum imóvel foi visualizado

Boom ou Bolha Imobiliária ?

9 de fevereiro de 2012 por admin

Alta no preço dos imóveis liga o sinal de alerta: estamos vivendo uma bolha imobiliária ou nosso crescimento é sustentável? Especialistas explicam o que vem por aí.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O preço do metro quadrado nunca esteve tão alto. Segundo o índice FipeZap, nos últimos 12 meses, o preço de venda dos imóveis em São Paulo subiu 28,8%. No Rio de Janeiro o aumento foi de 41,4% e Recife viu uma valorização de 30,4%. A alta no valor das unidades e a quantidade de lançamentos levantam dúvidas sobre a real demanda para os novos empreendimentos. É prudente comprar um imóvel agora ou vale a pena esperar? Os preços vão cair?

Fomos atrás de especialistas em finanças e no mercado imobiliário. “Não estamos vivendo uma bolha; isso só aconteceria se os preços subissem de maneira artificial ou houvesse uma demanda artificial. Ainda não é o caso”, afirma o professor João da Rocha Lima Jr, do Núcleo de Real Estates do Instituto Politécnico da USP. Demanda artificial acontece quando um número grande de imóveis é comprado por pessoas que tem um único interesse: esperar um preço mais caro no futuro para vender. Sem intenção de uso. “Pode até haver risco de bolha em mercados e produtos específicos. Mas não de forma generalizada”. O conceito de bolha ficou conhecido por conta da crise norte americana, mas segundo o professor, mesmo nos EUA, em 2008, não houve uma bolha imobiliária generalizada. “Em cidades da Flórida a bolha era clara. Mas em Houston não teve bolha alguma”, diz ele.

Crédito no Brasil versus Crédito nos Estados Unidos

Não se discute, no entanto, os estragos que a bolha americana (mesmo não generalizada) causou. Felizmente, de acordo com a professora Ana Maria Castelo, da FGV, o Brasil está num momento de franco desenvolvimento imobiliário. E existe um déficit real de moradias – 5,6 milhões de unidades (metade na faixa de renda de até cinco salários mínimos). Os especialistas também descartam uma bolha semelhante à americana porque, aqui, o crédito é concedido de forma muito diferente do que se via nos Estados Unidos. “No Brasil se financia entre 70% e 80% do valor do imóvel” detalha Lima Jr. “O mercado norte-americano”, compara, “financia perto de 95% do preço das unidades”. No auge da especulação nos EUA chegou-se a oferecer 110% de financiamento. Cadastros de mutuários foram fraudados para serem aprovados mais facilmente pelos bancos. As instituições financeiras, por sua vez, geravam papéis lastreados em pagamentos futuros das hipotecas. Quem comprou os papéis não tinha nada. Só a promessa de receber a quantia devida por quem fez o financiamento. Quando a inadimplência começou, tudo desmoronou. “O crédito brasileiro é concedido com muito cuidado. Exige-se uma papelada enorme, nome limpo. Tudo é checado”, afirma Gallo. Some-se a isso o sonho da nova classe média: ter uma casa própria. “O brasileiro não financia um imóvel como investimento. A maioria da população quer um imóvel para morar”, afirma o vice-presidente do Sinduscon-SP, Odair Senra.

Por Bruno Versolato – http://casa.abril.com.br/materia/boom-ou-bolha

Categorias: Mercado imobiliário

  1. Que matéria pobre e sem critério algum. É claro e evidente que existe uma bolha imobiliária, especialmente devido as constantes alterações do teto máximo do Minha Casa Minha Vida. Só estúpido e idiota para afirmar o contrário.

    Já sei onde NÃO irei comprar meu próximo imóvel. Sim, estou falando da imobiliária Anagê.

    Comentário por Pedro — 27 de setembro de 2013 @ 19:08

Deixe um comentário

*

Pensando em comprar ou alugar um imóvel?
Deixe seu e-mail e receba nossas dicas e novidades!