Imobiliária em Joinville SC | Anagê Imóveis | Compra, Venda e Aluguel

Imóveis favoritos Não há favoritos adicionados
Você pode adicionar imóveis aos favoritos
clicando no ícone
Histórico de visualização Nenhum imóvel foi visualizado

Permuta de imóveis: destaque no mercado imobiliário de Joinville

13 de março de 2018 por anage-imoveis

A permuta é mais uma das opções para quem deseja vender e comprar um imóvel. Apesar de não ter sido muito explorada nos últimos anos, tal prática tem ganhado destaque em muitas regiões atualmente — inclusive em Joinville.

Neste artigo, falaremos sobre a permuta de imóveis, incluindo suas vantagens e desvantagens. Daremos, ainda, informações que podem ajudar você a decidir se essa é uma boa alternativa para o seu caso.

Interessou-se? Continue a leitura!

Afinal, o que é permuta de imóveis?

A permuta imobiliária é uma transação de negócios em que duas partes assinam um contrato para trocar bens, de acordo com o consentimento de ambas. Esses bens podem ser apartamentos, casas, lotes ou imóveis comerciais.

Ao contrário do que algumas pessoas imaginam, os itens que forem trocados não precisam ter o mesmo valor. É possível ter uma compensação financeira para igualar o restante — tal compensação é chamada de “torna”.

Como ocorre a negociação?

Normalmente, a permuta se inicia por meio de uma proposta de alguma das partes, que oferece um imóvel (geralmente com valor menor) como pagamento total ou parcial de outro. O processo é um pouco complexo, já que existe a necessidade de uma avaliação minuciosa dos dois bens para assegurar que nenhum dos envolvidos sinta-se lesado.

A avaliação costuma ser feita por um corretor, que analisa características como tipologia, localização, tamanho e outros detalhes que podem interferir no valor da propriedade. Após essa análise, é possível realizar uma comparação para calcular se existe a necessidade da torna.

É bem difícil encontrar uma permuta com imóveis que tenham exatamente o mesmo preço. Por isso, normalmente, a torna é usada para compensar a pessoa com a propriedade de maior valor.

Como parte do pagamento, também podem ser oferecidos outros bens, como automóveis. Assim, o comprador que precisa pagar a torna pode entregar o bem e completar o restante em dinheiro. No entanto, tudo depende da negociação e se a outra parte estará de acordo com a troca.

Quais são as vantagens da permuta?

Optar pela permuta — em vez de realizar a compra e a venda de um imóvel — certamente traz benefícios. E o mais atraente é a possibilidade de isenção do Imposto de Renda. Isso porque, quando ela não exige a compensação financeira, a Receita Federal compreende que o valor do imóvel continua o mesmo do que foi declarado anteriormente.

No entanto, se houve a necessidade de torna, quem recebeu a quantia deve pagar o Imposto de Renda. Vale ressaltar que, quanto menor a torna, menor será o valor da tributação. Considerando que as quantias dessa taxação podem ser altas, essa é, de fato, uma grande vantagem.

Além disso, ambos os vendedores conseguem fazer a negociação com menos trabalho do que se vendessem o imóvel e, depois, comprassem outro. Sem contar que o processo de permuta elimina a necessidade de pagar por vários tributos, que seriam causados pela venda e pela posterior compra.

Por fim, algumas taxas são divididas para ambos na permuta. E isso também gera economia.

E as desvantagens?

Assim como ocorre em qualquer transação financeira, existem alguns pontos negativos na permuta. O primeiro deles é a necessidade de encontrar uma negociação vantajosa para os dois lados. Esse processo pode demorar, já que as expectativas de ambos são, muitas vezes, diferentes.

Além disso, é preciso muito cuidado, principalmente da parte que receberá o imóvel de menor valor. Afinal, tem que ser levada em consideração a liquidez e a possibilidade de venda e locação dessa propriedade no futuro.

Ou seja: você precisa avaliar bem para ter a certeza de que está fazendo um bom negócio, por mais que ele pareça atraente à primeira vista. Também é preciso estar ciente de que, geralmente, será necessário ceder e aceitar coisas que nem sempre esperamos.

A liberdade de escolha também é menor do que quando se compra um imóvel da forma tradicional, pois nem todos os vendedores aceitam permuta. Portanto, será preciso pesquisar para encontrar alguém que concorde com as condições e tenha uma propriedade que atenda às suas necessidades.

Por que a permuta tem ganhado destaque?

A crise começou a afetar toda a economia e, com isso, as pessoas têm tido menos condições financeiras para comprar e vender um imóvel. Isso acabou despertando o interesse na permuta, que passou a se destacar em diversos municípios, como Joinville.

Apesar de demandar uma boa negociação, esse tipo de transação pode ajudar muitos indivíduos que já têm um imóvel, mas, por algum motivo, desejam trocá-lo por outro e estão com pouco dinheiro.

Além disso, para quem quer vender uma propriedade já desocupada, optar pela permuta também compensa — ainda que o outro bem tenha um valor menor. Isso porque a pessoa não ficará pagando IPTU e condomínio (ou pagará menos) e poderá até alugar o imóvel enquanto encontra outro comprador.

A permuta também é capaz de atender a necessidades específicas e agradar às duas partes. Uma pessoa que tem uma casa no interior, por exemplo, pode querer morar mais próximo do centro, por conta do trabalho.

Enquanto isso, um casal mais velho, com filhos que já saíram de casa, pode desejar residir em um local mais tranquilo, no interior. Essa é apenas uma ilustração de como as circunstâncias podem tornar uma permuta a melhor escolha.

Quais cuidados são necessários nesse tipo de transação?

Para começar, a permuta de imóveis sempre deve ser feita com o auxílio de uma imobiliária. Ainda que as partes confiem uma na outra, não são raros os casos de negociações sem profissionais envolvidos que terminam de forma desastrosa. Também é essencial tomar cuidado em alguns pontos, como você verá a seguir.

Verifique a situação legal do imóvel e dos bens envolvidos

Assim como aconteceria normalmente na compra e na venda de um imóvel, os bens envolvidos precisam estar devidamente regularizados. Para que o processo transcorra da forma mais simples, vale a pena os dois lados compartilharem documentos, como:

  • certidões, para comprovar que está tudo certo e não há dívidas;
  • penhoras;
  • ações judiciais que possam comprometer a transação.

Analise os detalhes do contrato

O contrato de permuta de imóveis não é o mesmo do de compra e venda: ele é feito por uma escritura pública e precisa incluir dados como a responsabilidade pelos tributos e a data de entrega dos bens. O valor dos itens também deve estar no contrato, servindo para calcular o preço da escritura — que, geralmente, custa de 4% a 6% do valor da propriedade.

Também devem ser especificadas as medidas a serem tomadas caso um dos contratantes desista do negócio. O pagamento de uma quantia em dinheiro e a garantia da entrega do imóvel são alguns dos exemplos.

Um advogado pode ser contratado para auxiliar em todos os procedimentos contratuais e outras questões jurídicas. O importante é que a permuta seja feita corretamente e satisfaça as duas partes.

Você acha que a permuta de imóveis é uma boa opção para o seu caso? Ainda tem dúvidas? Deixe seu comentário!permuta-de-imoveis-destaque-no-mercado-imobiliario-de-joinville.jpeg

Categorias: Mercado imobiliário

Deixe um comentário

*

Pensando em comprar ou alugar um imóvel?
Deixe seu e-mail e receba nossas dicas e novidades!